caldo_galinha

A esquerda afoita regojiza-se com a atitude da Dilma em “adiar” a visita aos Estados Unidos. A direita afoita vê-se em graças com mais essa oportunidade de criticar Dilma e seu governo.
É a nossa independência, dizem uns; a nossa morte dizem os outros. OK! Ambos pensam nos lucros políticos do fato.

É um pouco raso imaginar que presidentes de países como Brasil e Estados Unidos, diante da situação posta, sejam, também, afoitos. Ainda bem que não!

A qualquer um deveria ser dado saber que relações entre países não se estabelecem pelo que é dito em público ou publicado na mídia. Quaisquer relações, diga-se de passagem.

Aos que pensam que a Dilma é uma porra-louca a ponto de bradar “independência”, e aos que pensam que ela é louca de cometer um suicídio nacional, convém lembrar que ambos, Dilma e Obama, não possuem essa capacidade, que todos imaginam, de tomar decisões “conforme seu talante”. Mais ainda quando tratamos de relações internacionais.

O jogo é tão pesado quanto pesam os bilhões de dólares e outros interesses não monetários envolvidos. Traduzindo: há mais coisas entre os governos desse planeta do que ousa sonhar nossa vã filosofia de torcedores políticos tupiniquins.

Dilma não reencarnou D. Pedro I apenas por um arroubo de brasilidade. Não é subserviente, mas também não é independente. No mundo atual, até Obama descobriu que não poderá invadir a Síria, assim sem mais nem menos.

E talvez tenha sido esse o recado passado pela Dima: nada de independência ou morte, apenas uma boa canja de galinha. Afinal, prudência e canja de galinha não faz mal a ninguém.

Luiz Afonso Alencastre EscosteguyPolíticaUncategorized
A esquerda afoita regojiza-se com a atitude da Dilma em 'adiar' a visita aos Estados Unidos. A direita afoita vê-se em graças com mais essa oportunidade de criticar Dilma e seu governo. É a nossa independência, dizem uns; a nossa morte dizem os outros. OK! Ambos pensam nos lucros políticos...