Certos temas se tornam polêmicos tão somente pela falta de experiência das pessoas que se envolvem nas polêmicas.

O aborto é um desses temas. Cem por cento das pessoas que são contra o aborto sequer fazem ideia do que seja um aborto.

Sequer vou referir a hipocrisia de ter alguma experiência e mesmo assim ser contra.

Discutem na e pela teoria. Discutem pela primazia da divindade que defendem. Usam o umbigo e não a experiência, não o coração.

A idade nos liberta de certas amarras sociais. A sociedade também se liberta. Discute assuntos e podemos contar coisas que, talvez, jamais poderíamos contar.

Jovem ainda, tive a experiência de um aborto. Século passado. Tempos em que se podia fumar em qualquer lugar – viajava de avião fumando – mas para tocar nos peitinhos da namorada se levava uns bons meses.

O que mudou? Hoje é proibido fumar, mas podemos pegar nos peitinhos mesmo sem estar namorando.E hoje o aborto é tema de debate social, algo impensável há trinta anos.

Pois foi com vinte e poucos anos que aprendi a maior lição para um relacionamento, individual ou social: o corpo e a vida de uma mulher pertencem a ela e tão somente a ela. E a decisão foi pelo aborto, só me caberia apoiar, em todos os aspectos. E assim fiz.

Não me cabe o direito de determinar o que será a vida de uma pessoa. Até porque posso não estar com ela pelo resto da vida, como aliás aconteceu.

Que direito tenho eu de querer estabelecer como será a vida de uma pessoa? De obrigá-la a não abortar e viver seus 60, 70 ou mais anos carregando o que seria um fardo tão somente pela minha vontade?

Não, ninguém tem esse direito. Sob qualquer justificativa que seja, ninguém pode dizer a uma mulher que não pode abortar. É uma decisão de consciência e consciência é algo individual e não coletivo ou social.

Definitivamente, não nos cabe decidir sobre a vida das mulheres, quando, no mais das vezes, sequer conseguimos decidir a nossa. O que dirá decidir sobre o seu futuro. Futuro esse que, com certeza e na esmagadora maioria das vezes, não estaremos por perto para acompanhar e amparar.

Como disse, a idade nos permite coisas. E dentre essas coisas está dizer que não tenho a mínima consideração por quem se diz contra o aborto.

Dizer-se a favor da vida é a maior das hipocrisias. É ser a favor do sofrimento de milhões de mulheres e crianças que jamais, repito, jamais terão o apoio de quem é contra.

Eu abortei. Há mais de trinta anos eu abortei de mim o egoísmo, o umbigo, a religião, a hipocrisia, a falácia da defesa da vida. Abortei, principalmente, a ideia de que possa ser dono de outra pessoa.

http://www.escosteguy.net/wp-content/uploads/2015/11/que-país-é-esse01-620x330.jpghttp://www.escosteguy.net/wp-content/uploads/2015/11/que-país-é-esse01-620x330-150x150.jpgLuiz Afonso Alencastre EscosteguyO ChatoCertos temas se tornam polêmicos tão somente pela falta de experiência das pessoas que se envolvem nas polêmicas. O aborto é um desses temas. Cem por cento das pessoas que são contra o aborto sequer fazem ideia do que seja um aborto. Sequer vou referir a hipocrisia de ter alguma experiência...Antes de falar, pense! Antes de pensar, leia!