justiça-do-trabalho

Ou, se leu, o fez por mera obrigação escolar. O que não é de admirar…

Entre a forma e a matéria existem, ainda, as causas “eficiente” e “final”, razões, por si sós, da existência de uma Justiça do Trabalho.

A causa eficiente nos fala da orgiem da Justiça do Trabalho, algo que o eminente presidente dá mostras de desconhecer.

A causa final, por seu turno, nos explica a finalidade da Justiça do Trabalho.

O presidente do TST parece ser figura jovem, desconhecedora da história, como sói acontecer com os jovens desse brasil varonil.

A Justiça do Trabalho nasceu (causa eficiente, origem) como a primeira justiça que considerou, no Brasil, a existência dos chamados hipossuficientes.

A expressão hipossuficiente se contrapõe ao tipo de relação social que existia – e ainda existe – no Brasil: uma forma moderna de dizer “a lei do mais forte vence!”.

A Justiça do Trabalho nasceu para defender os trabalhadores contra a opressão dos empregadores.

Simples assim.

A Justiça do Trabalho não nasceu para ser equânime, mas para fazer justiça. Nasceu para se contrapor ao abuso do capital (causa final).

As declarações desse senhor não passam de uma ofensa ao povo brasileiro. Povo que, diferente dele, não tem emprego garantido, não tem privilégios de classe, não tem mordomias, não tem a “caneta”, não teve “mérito” para passar em um concurso ou ser “escolhido pelo notório saber”, não tem, enfim, nada mais que o proteja a não ser a Justiça do Trabalho.

http://www.escosteguy.net/wp-content/uploads/2016/11/justiça-do-trabalho.jpghttp://www.escosteguy.net/wp-content/uploads/2016/11/justiça-do-trabalho-150x150.jpgLuiz Afonso Alencastre EscosteguyO Chato
Ou, se leu, o fez por mera obrigação escolar. O que não é de admirar... Entre a forma e a matéria existem, ainda, as causas 'eficiente' e 'final', razões, por si sós, da existência de uma Justiça do Trabalho. A causa eficiente nos fala da orgiem da Justiça do Trabalho, algo...